quinta-feira, 14 de abril de 2011

Texto: UM MENINO DE SORTE

UM MENINO DE SORTE
Pensando bem, o presente melhor que um amigo pode dar a outro é a própria liberdade!
E, pensando melhor ainda, acho que fui um menino de sorte. Tinha -    e  tenho – uma ótima mãe, meu pai foi bom enquanto viveu, e meu avô era, e é legal a beça. Nunca mentiu pra mim; ele me consolava mas não mentia; ele sempre foi meu amigo de verdade.
Eu não me importava mais de ficar sozinho. Todas as manhãs eu fazia como o vô ensinara. Olhava no espelho e dizia para mim mesmo:
- Está um lindo dia, Luís, e eu gosto muito gosto muito de você. Você é legal!
Um dia – agora eu sabia – eu também iria sair por aí, bater minhas asas para descobrir o mundo. Ele é tão grande, e aquele astronauta disse que ele é azul. Um mundo azul deve ter muita coisa pra se ver, coisa bonita e coisa feia, coisa alegre e coisa triste – mas eu aprendera que vive tudo misturado na magia e na beleza da vida.
Algum dia eu bateria minhas asas... mas quando chegasse a hora, eu iria saber, com certeza, como o Vira-Mundo e o outro souberam. E isso não implicaria deixar de amar minha mãe, meu avô e até mesmo meus viras. Isso significaria apenas... que eu cresci.
                                             Giselda Laporta Nicolelis.

1 – Marque x na resposta correta:
a) O narrador da história é:
( ) Um menino chamado Luís.
( ) O avô chamado Luís.
( ) A mãe  do menino Luís.

b) A família do menino era composta por ele, o avô e a mãe. O que aconteceu com o pai?
( ) Foi embora.                      ( ) Ele morreu.                      ( ) Ele viajou.

c) Por que o menino admirava muito o avô?
( ) Porque o avô era briguento.
( ) Porque o avô era amigo e nunca mentiu.
( ) Porque o avô sempre mentia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Teatro Folclore

Preparação Prova Brasil

Interpretação de Texto

Apostila de Textos